Os Pintores Portugueses e a Fábrica de Loiça de Sacavém. Luís Ascênsio Tomasini (1823-1902)

José Carlos Roseiro, Secretário Executivo da AALS

Luís Ascênsio Tomasini nasceu em Lisboa e seguiu a carreira de oficial da marinha, onde se distinguiu como marinheiro de grande perícia e coragem em inúmeras viagens. Cedo se retirou da marinha por razões de saúde tendo-se dedicado à pintura. Foi discípulo de Tomás da Anunciação e transportou para a pintura o seu amor pelo mar e pelos barcos. Foi galardoado em diversas exposições e deixou uma extensa obra. Tomasini pintou o “Caíque do Algarve” a frio sobre um prato de faiança da Fábrica de Sacavém em 1886. Trata-se de uma peça com o diâmetro de 23 cm, apresentando marca inclusa com ancora e inscrição Sacavém. Está assinado e datado no verso, com indicação de título.

Os caíques eram embarcações utilizadas para o transporte e comércio assim como na pesca do alto. Foi popular na costa portuguesa entre o século XVI e o século XX, principalmente no sul do país. Sendo oficial de marinha, Luis Tomasini conhecia a utilização de um caíque num dos feitos marítimos mais reveladores da intrepitude dos portugueses no mar. No dia 22 de setembro de 1808 o caíque “Bom Sucesso” manobrado por pescadores e contrabandistas olhanenses chega ao Rio de Janeiro para transmitir ao príncipe regente o sucesso das revoltas populares algarvias contra as tropas Napoleónicas. A tripulação do “Bom Sucesso” assumiu ainda a tarefa de entregar vários documentos, preparados pelo governo regente do Algarve, ao príncipe regente D. João. O feito foi reconhecido pelo príncipe que entre diversas mercês elevou o lugar de “Olhão” a vila, nomeando-a de Vila de Olhão da Restauração.